11 de abril de 2016

PÔR FLORES NO TÚMULO DE CAMÕES, de joelhos - Testemunho de Jorge de Sena

Túmulos de Luiz Vaz de Camões, no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa.
Fonte da imagem, aqui.


CAMÕES DIRIGE-SE AOS SEUS CONTEMPORÂNEOS


Podereis roubar-me tudo:
as ideias, as palavras, as imagens,
e também as metáforas, os temas, os motivos,
os símbolos, e a primazia
nas dores sofridas de uma língua nova,
no entendimento de outros, na coragem
de combater, julgar, de penetrar
em recessos de amor para que sois castrados.
E podereis depois não me citar,
suprimir-me, ignorar-me, aclamar até
outros ladrões mais felizes.
Não importa nada: que o castigo
será terrível. Não só quando
vossos netos não souberem já quem sois
terão de me saber melhor ainda
do que fingis que não sabeis,
como tudo, tudo o que laboriosamente pilhais,
reverterá para o meu nome. E mesmo será meu,
tido por meu, contado como meu,
até mesmo aquele pouco e miserável
que, só por vós, sem roubo, haveríeis feito.
Nada tereis, mas nada: nem os ossos,
que um vosso esqueleto há de ser buscado,
para passar por meu. E para outros ladrões,
iguais a vós, de joelhos, porem flores no túmulo.

Jorge de Sena, Assis, 11.06.1961

Jorge de Sena (1919-1978)



















In Metamorfoses. Lisboa, 1963. – reprod. em Poesia II. 2.ª ed., Lisboa: Edições 70, 1988, p. 93.